“As forças vivas devem se ater para a importância do IFF no desenvolvimento local e regional”.

 

Em sua estada em Santo Augusto no dia 25 do pretérito mês de setembro, em visita de trabalho no Câmpus do Instituto Federal Farroupilha, o professor Nelci José Donadel, Mestre em Educação Agrícola do Câmpus do IFF/São Vicente do Sul, com trinta anos de experiência na área, acompanhado do ex-prefeito santoaugustense Alvorindo Polo, esteve na redação do jornal O Celeiro.

Na oportunidade o professor Donadel não poupou elogios ao Câmpus de Santo Augusto. Disse ter sido motivo de alegria e que se impressionou muito por ser uma escola nova, porém bem constituída, prédios maravilhosos e uma receptividade ímpar.

Comentou que vendo todo aquele complexo e organização, passou a imaginar quantas pessoas tiveram um pensamento de iniciar, de ter um Câmpus desses aqui, ressaltando que a representação de um Câmpus para uma cidade, uma região, o desenvolvimento, é difícil de medir, demora pra ser medido. “Então que eu saio daqui impressionado com o desenvolvimento e, na minha visão a contribuição que eu podia deixar para a comunidade, para o povo desta cidade e região, é que se unissem as forças para propiciar um aumento de área, pois se percebe que o espaço é parco, um pouco apertado, percebendo-se que a escola carece de uma área maior, e com isso ela crescerá ainda mais, com benefício diretamente para a população em geral, para todos”, disse o mestre.

Acrescentou que “as forças vivas devem se ater para a importância do IFF no desenvolvimento local e regional, por isso essas forças vivas devem agir de forma cooperativa e não desperdiçar a oportunidade de crescimento socioeconômico e cultural, haja vista o montante de recursos destinados para uma região composta de cidades pequenas; vejo que a comunidade tem que abraçar isso realmente, se unir e não medir esforços para que a escola cresça e interceda diretamente nas famílias e na melhoria da qualidade de vida de todos”, concluiu.

Para o professor Donadel, “a participação regional passa muito pelo diálogo, e não se podem medir esforços, os municípios precisam se unir urgentemente, e pensar como um todo, porque não é só Santo Augusto que vai se beneficiar disso; todas as prefeituras, as pessoas ligadas à educação que estão entendendo isso que a gente está falando, teriam que ter uma mesma linha de pensamento que pudesse levar a sua contribuição para que as coisas aconteçam, porque o desenvolvimento, na cidade repercute mais, mas a região como um todo ganha, em muito, com isso”, lembrou.  

Além de contribuir para o crescimento cultural e econômico, o Câmpus do Instituto Federal Farroupilha presta relevante serviço ao social, enfatizou Donadel, pois “trabalhar a autoestima das pessoas, o que isso proporciona é imensurável”. “Nós temos experiência na escola, onde as pessoas menos favorecidas participam do Pronatec, Mulheres Mil, PROEJA, são pessoas que estavam fora do mercado de trabalho e fora da escola, hoje elas se sentem incluídas, tanto faz no ensino direto da escola ou em núcleos nas suas cidades, elas se sentem muito incluídas, e se sentem com autoestima já pensando que elas também são importantes no processo. Então isso não se mede o benefício que causa. E isso que é o desenvolvimento, a pessoa se sentir como cidadã, sendo respeitada no seu espaço”, enfatizou o professor.

Quanto à criação de um curso de agronomia no Câmpus Santo Augusto, Donadel referiu que a escola está super localizada, a vocação aqui é agrícola, a região constitui um celeiro agrícola, só que a infraestrutura é bastante exigente em termos de espaço físico e de áreas afins de laboratórios. Mas eu não sei aqui a escola, como ela está pensando isso, se já pensou ou está trabalhando em cima disso.    Por Alaides Garcia dos Santos