Máquinas e homens trabalhando no restauro da rodovia

Iniciada nos primeiros dias do mês de julho, a restauração da ERS-155 está em pleno desenvolvimento, já estando com aproximadamente um terço da obra contratada concluído. O projeto de restauração, assim como o contrato entre DAER e Construtora Carpenedo que executa a obra, prevê o restauro da extensão de 67,62 km compreendido entre a BR-285 (em Ijuí) e o trevo de acesso à cidade de Santo Augusto, envolvendo a recuperação do pavimento, substituição de camadas, implantação da capa asfáltica, sinalização, limpeza dos dispositivos de drenagem e nivelamento dos acostamentos com a pista utilizada para o tráfego de veículos.

Trecho já restaurado e sinalizado na ERS-155

Efetivamente, no trecho já concluído denota-se uma verdadeira cara nova não só no visual, mas principalmente pela aparente boa qualidade da obra e obviamente as boas condições de trafegabilidade e segurança da rodovia que é um dos principais, senão o principal, corredor rodoviário interligando a Região Celeiro com a Região das Missões e central do Estado.

A tão demandada e esperada restauração da ERS-155 vai devolver à população de toda a Região Celeiro os benefícios, onde há uma intensa produção agrícola e diversificação cultural. Nessa rodovia há um trânsito muito grande de caminhões, assim como um intercâmbio entre universidades, sendo Ijuí o centro delas, por ser um ponto de referência educacional, cultural e até comercial.

Por se tratar de obra pública, há sempre a dúvida quanto à qualidade da obra, porém, aparentemente, para quem transita pelo trecho já concluído ou semiconcluído, a impressão é de estar sendo feito trabalho de boa qualidade.

Projeto falho

Após muitos anos de inúmeros pedidos e protestos da comunidade regional, finalmente um projeto de restauração da rodovia ERS-155 foi levado a efeito e agora sendo executado. Contudo, e apesar de estar dando um alento à população, o projeto foi falho de modo a não satisfazer na plenitude os anseios dos usuários, haja vista que não contempla toda a extensão da rodovia, ficando fora do contrato os 13km que demandam do trevo de acesso à cidade de Santo Augusto até o entroncamento com a BR-468, na divisa com Campo Novo. Curiosamente, este é um dos trechos mais críticos de toda a extensão da ERS-155, cujas razões da exclusão ninguém sabe e ninguém assume.

Parte dos 13km que ficaram fora do contrato de restauração

Prefeitura vai bancar

Com relação ao trecho da ERS-155 deixado fora do contrato e não havendo nenhum projeto governamental para sua restauração, compreendido entre o trevo de acesso a Santo Augusto e BR-468, o vice-prefeito de Santo Augusto, professor Marcelo Both disse à reportagem que embora ainda não haja nada definido, é certo que a Prefeitura não fará vistas grossas para o problema. Mesmo diante das parcas condições financeiras da municipalidade, está sendo articulado e vai ser concretizada uma minirreforma desse trecho, mesmo que seja somente para mantê-la transitável. Para tanto, a Prefeitura já encaminhou e já está aprovado um projeto ao BADESUL, objetivando a compra de um britador. Saindo esse recurso e com a reativação da usina de asfalto, o município buscará uma parceria com a construtora Carpenedo para que máquinas da empresa façam a raspagem nas partes mais críticas e a Prefeitura executará os reparos empregando material e mão de obra próprios. Marcelo Both informou, ainda, que o mesmo procedimento será adotado para a rodovia ERS-571, que demanda a Chiapetta, compreendido entre a ERS-155 e a divisa dos municípios, em Esquina Chiusa.