“O município está financeiramente em razoável equilíbrio, o que dá certa tranquilidade à administração, porém, os cortes de recursos do Estado e da União, preocupam”.

Prefeito Vettorato, na companhia do ex-deputado Desconsi, em audiência com o Coronel Hélio de Almeida Batista no Ministério da Integração Nacional.

Em recente estada em Brasília, o prefeito de São Valério do Sul, senhor Vladimir Vettorato, cumpriu extensa agenda de trabalho junto a Ministérios e gabinetes de deputados e senadores, na busca de recursos para o município.

No cumprimento de sua agenda, Vettorato pediu apoio ao deputado Darcisio Perondi (PMDB), ao deputado Jerônimo Goergen (PP) e ao Ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, para projetos do município que tramitam em diversos setores do governo, no sentido da aquisição de um trator agrícola, equipamentos, veículo, auxilio ao Cras e ao Centro do Idoso, assim como de patrulha agrícola, construção de pontes, e aquisição de uma retroescavadeira.

Recorrendo gabinetes de deputados e senadores, o prefeito fez diversos pedidos de encaminhamento de Emendas Parlamentares, ao senador Lasier Martins (PSD), à senadora Ana Amélia Lemos (PP), ao deputado Giovani Cherini (PR), ao deputado Pompeo de Mattos (PDT), ao deputado Henrique Fontana (PT), ao senador Paulo Paim (PT), ao deputado Darcisio Perondi (PMDB), ao deputado Alceu Moreira (PMDB), ao deputado Luiz Antônio Franciscatto Covatti (PP), ao deputado Jerônimo Goergen (PP), ao deputado Paulo Pimenta (PT), ao deputado Dionilso Marcon (PT), ao deputado Elvino Bohn Gass (PT), e ao deputado Cajar Nardes (PR), objetivando o seguinte: aquisição de micro-ônibus Caminho Escolar, valor de R$ 235.710.000,00 ou mini Van, no valor de R$ 100 mil; aquisição de uma retroescavadeira, valor de R$ 220 mil ou de Academia de Saúde Ampliada para a Reserva Indígena do Inhacorá, no valor de R$ 180 mil; pavimentação urbana em Paver, no valor de R$ 250 mil; aquisição de Caminhão Caçamba para Entulhos, no valor de R$ 250 mil; aquisição de Ambulância Auto Resgate, no valor de R$ 246.250.000,00; aquisição de implementos para Patrulha Agrícola, no valor de R$ 100 mil, ou de mini Van para o transporte eletivo em saúde, no valor de R$ 100 mil; patrulha agrícola, pontes; Van para o transporte eletivo em saúde, no valor de R$ 173.800,00; pavimentação urbana em Paver, no valor de R$ 250 mil; micro-ônibus, no valor de R$ 250 mil, entre outros pleitos apresentados.

Em contato com a reportagem do jornal O Celeiro, Vladimir Vettorato discorreu sobre sua viagem a Brasília, seus pleitos apresentados a parlamentares e órgãos do governo, e sobre as perspectivas para o município. No Ministério da Integração Nacional, recebido pelo subsecretário, o Coronel Hélio de Almeida Batista, tratou assunto relacionado ainda às enchentes do mês de maio no município, em cujo ministério São Valério do Sul teve o seu plano de trabalho aprovado e está com recursos garantidos em torno de R$ 570.000,00 aprovados, aguardando para ser empenhado. Esse recurso se destina a construção de três pontes no município, cujo objetivo da visita foi pressionar para que isso aconteça o mais rápido possível. Como já está tudo aprovado, o prefeito estranha a não assinatura, a não liberação para que haja o quanto antes o empenho para que as obras sejam iniciadas.

Vettorato em audiência com José Antônio da Motta Ribeiro – chefe de gabinete do Ministro da Saúde

O mandatário de São Valério do Sul esteve, também, na FUNASA (Fundação Nacional da Saúde) onde manteve audiência sobre o saneamento básico do município. Nas minúcias da audiência, o assunto foi a questão da água potável, as constantes reformas na rede de água encanada que cobre todo o município, e a falta de recursos que afeta o município. São investimentos bastante grandes, diz o prefeito. São redes antigas e precisam muitas readequações para que chegue água para toda a população de forma correta. O pleito junto à FUNASA, de acordo com projetos do município que lá estão tramitando e agora reforçados com a cobrança pessoalmente do prefeito, é para substituir todas as redes de água encanada do interior e melhorias das caixas d’água.

Outra importante audiência do prefeito foi na Funai, com o diretor de engenharia, senhor Rodolfo Rodrigues, pelo qual passam todos os projetos de infraestrutura da área indígena, onde o município possui grandes demandas, principalmente na questão do saneamento. Segundo o prefeito, na área indígena do Inhacorá há outro problema grave que é a questão da energia elétrica nas residências, principalmente na agrovila que lá foi construída, cuja infraestrutura existente é precária. Essa problemática e outras pertinentes às necessidades da área indígena, Vettorato levou pessoalmente à SESAI, onde teve boa receptividade e a promessa de que nos próximos meses, até o final do ano, engenheiros serão deslocados de Brasília para elaborarem os projetos aqui na área indígena do Inhacorá.

Também, em Brasília, o prefeito fez entrega pessoalmente de expedientes a parlamentares pertencentes a partidos políticos constituídos em São Valério do Sul e que ali garimpam votos nas eleições, aos quais apresentou demandas diversas do município, haja vista que este é o momento em que está aberta a captação de propostas para as EMENDAS PARLAMENTARES do ano de 2018. Então foi feita uma peregrinação, como disse o prefeito, junto aos representantes de todos os partidos, indistintamente, onde foram encaminhados ofícios com as solicitações nas áreas da saúde, da agricultura, educação, infraestrutura do município.

Entre os pedidos de emendas encaminhados constam: para compra de micro-ônibus, de van para o transporte escolar, ambulâncias novas, ambulância UTI, que é uma necessidade no município, equipamentos para agricultura, retroescavadeira nova, trator, patrulhas agrícolas novas. Também, um caminhão novo, com prensa, para recolhimento de lixo, recursos para asfaltamento de ruas. Agora é aguardar e manter as boas expectativas de que os deputados consigam atender nossas demandas para São Valério do Sul, diz esperançoso o prefeito.

Os três senadores do Rio Grande do Sul (Paulo Paim, Lasier Martins e Ana Amélia) também foram visitados pelo prefeito, aos quais foi pedido ajuda para que intercedam em apoio às demandas de São Valério do Sul protocoladas em Brasília, pois para fazer investimento e melhorar suas condições, o município precisa de recursos extras, porque somente os recursos próprios não são suficientes para a grande demanda, justifica Vettorato, acrescentando ter sido uma viagem muito proveitosa, onde, apesar de todos os problemas que temos no País, se está procurando trabalhar, cuidar e fazer os encaminhamentos necessários para poder avançar como município.

Agradecimento

Vladimir Vettorato enaltece o apoio recebido de todos os partidos constituídos no município, e agradece aos presidentes do PDT, senhor Antônio Lidemburg, Tadeu Fernandes do PMDB, Vinicius Taborda do PP, e do seu partido, o PT, senhora Juçara Agnes, uma vez que todos lhe deram em mãos “carta de recomendação” e o autorizando representá-los em Brasília, junto às respectivas bancadas, quanto aos pleitos em questão.

O prefeito agradece de forma especial a sua equipe de governo, aos funcionários municipais, que juntos elaboram os planos, traçam metas, e assim foi conseguido alcançar os objetivos, tais como: manter os serviços essenciais, manter as estradas conservadas e em dia, atender as demandas da saúde, atender as demandas do transporte escolar, entre outros.

Uma das grandes preocupações manifestadas pelo prefeito era manter o pagamento do funcionalismo em dia, o que está sendo rigorosamente mantido em sua administração. Com humildade, Vetorato faz questão de dizer que isso só acontece graças à colaboração de toda a equipe, aos vereadores que sempre estão atentos e dispostos a ajudar, aprovando todos os projetos oriundos do Executivo.

Trabalho conjunto

Enfim, é um trabalho em conjunto na administração de São Valério do Sul, de toda a população do município, ao entender que muitas vezes em algumas situações não possível o atendimento por falta de recursos, enfatiza o prefeito.

Bastante satisfatório

O prefeito Vettorato se diz cauteloso, trabalhando com muito cuidado, primeiro vendo o dinheiro que tem para depois fazer algum investimento. Mas, ele diz ter sido um ano bastante satisfatório, alguns investimentos foram feitos, embora pequenos, em recuperação de máquinas, aquisição de equipamentos importantes, entre eles, um trator, uma concha frontal para ajudar no serviço, um caminhão prancha, que era uma necessidade grande do município para fazer o transporte de máquinas, tudo com recursos próprios do município. Lembra que também houve bastante melhoria na questão das estradas, alguns ajustes de bueiros, que foram grandes. Além disso, foram adquiridas, através de emenda do deputado Pompeo de Mattos, duas patrulhas agrícolas, no valor de R$ 145 mil, composta de uma enfardadeira, duas ensiladeiras com kits, mais duas carretas que já estão a serviço da comunidade. O município adquiriu, também, com recursos de emenda do deputado Dionilso Marcon (PT), destinado exclusivamente para a área indígena, um trator novo, uma carreta agrícola, uma plantadeira e mais uma ensiladeira, que em breve estará à disposição, uma vez que esse equipamento já foi entregue ao município. O prefeito esclarece que nessas duas patrulhas agrícolas também houve contrapartida do município.

Por tudo isso, e apesar dos transtornos, o prefeito Vetorato se diz satisfeito pelos resultados, pelos avanços alcançados, feito criteriosamente, com os pés no chão. O município está financeira e razoavelmente equilibrado, o que dá certa tranquilidade à administração, porém, o que preocupa são os cortes de recursos cada vez mais frequentes, com reflexo no aumento de atribuições do município. Isso é preocupante, porque muitas vezes o município tem de assumir as tarefas que eram do governo do Estado, do governo federal, principalmente na área da saúde, como a aquisição de remédios e serviços.

Nesse sentido, o chefe do Poder Executivo são-valeriense faz uma advertência no sentido de que, na questão da saúde, a atribuição do município se restringe à atenção básica, uma vez que a média complexidade é atribuição do Estado, e a alta complexidade é atribuição do governo federal. E muitas vezes, quando falta nessas duas áreas (média e alta complexidade), o município tem que assumir e isso é muito oneroso, são medicamentos mais caros e as às vezes o município não tem recursos para isso. Contudo, na medida do possível, o município tem resolvido esses problemas para a população, disse Vettorato.