O PDT do Rio Grande do Sul está incomodado com o que chama de "falta de protagonismo" da legenda no governo estadual, de José Ivo Sartori (PMDB). Situações semelhantes levaram-no a rompimentos com os governos anteriores de Tarso Genro e Yeda Crusius. Como se percebe, o PDT tem uma vocação "governista", tanto quanto o PTB. Na quarta-feira de cinzas, trabalhistas e Sartori vão conversar, mas o PDT já avisou que não quer apenas conversar, porque quer nomear Vinicius Ribeiro, Flávio Lammel e Kalil Sehbe, preteridos em todas as listas que saíram até agora. O PDT não quer saber de nada sobre a crise das finanças públicas gaúchas, quer saber das "boquinhas" para os companheiros. 

VideVersus