Estudo afirmou ainda que em 5 anos o estado teve um aumento de 32,4% nos homicídios. (Foto: Reprodução)

O número teve aumento devido a alta taxa de crimes cometidos nas regiões norte e nordeste, onde os índices passaram de 45 homicídios por 100 mil habitantes. Segundo Samira Bueno, diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança, a taxa é maior nestes estados por conta da posição geográfica do Brasil, Samira explica ainda que para controlar a rota de cocaína que entra a partir de países como Colômbia, Peru e Bolívia as facções do sudeste criam laços entre as facções das regiões citadas.

“Isso também se dá no contexto de fortalecimento das facções locais. Eles vão se associando às facções locais porque são elas que conhecem as rotas” disse ela.

No Rio Grande do Sul, os índices chegam a 29,3 mortes a cada 100 habitantes. O valor foi o mais alto da última década tendo um crescimento acumulado de cerca de 47%, entre os anos de 2016 e 2017 os números cresceram cerca de 2,5%. O estado, no entanto, ficou abaixo da média nacional de 31,6 além de ocupar o 20° lugar em uma lista de 27 estados.

De acordo com o presidente do Ipea, Carlos Von Doellinger, o estudo traz tendências preocupantes com relação à violência no país, o economista diz ainda que “Isso é uma coisa impressionante e mostra o peso que temos que carregar” além de analisar o custo tributário e burocrático de se produzir no país. “É a face mais cruel”, lamentou.

O Sul