Laudo da perícia não explica causa da morte do menino Bernardo

 

Local do crime não foi preservado e falta de estrutura prejudicou o trabalho dos peritos

Como o menino Bernardo Boldrini foi assassinado? O que causou a sua morte no dia 4 de abril, em Frederico Westphalen? Diante destas perguntas que nunca terão uma resposta definitiva, o advogado da avó materna da criança, Marlon Taborda, acredita na possibilidade do menino ter sido enterrado vivo. “No que se refere às provas técnicas que constam no processo não é de se excluir essa possibilidade”, disse a uma emissora de televisão.

O laudo da autópsia de Bernardo não explica qual foi a causa da morte do menino de 11 anos. Os depoimentos das acusadas, a madrasta e a amiga dela, são contraditórios e não ajudam a responder essa dúvida. Segundo Edelvânia Wirganovicz, cúmplice confessa no crime, em depoimento gravado pela polícia, uma injeção letal foi usada para tirar a vida do garoto. A madrasta Gracieli Ugulini, em depoimento à polícia oito dias após ser presa, afirmou que o motivo da morte foi o excesso de comprimidos.

O documento elaborado pela perícia descreve em detalhes o estado do cadáver e conclui que os achados na presente necropsia não evidenciam sinais de trauma ou outros achados que poderiam explicar a causa da morte. Não foi possível responder se o menino morreu por asfixia. A causa da morte é atestada como indeterminada.

A área onde o menino foi enterrado não foi isolada pela polícia. Na época, peritos que atuaram no caso reclamaram da falta de preservação do local do crime. A falta de estrutura para o trabalho dos peritos e uma falha no trabalho da polícia impediram a identificação da causa da morte de Bernardo Uglione Boldrini.

Entenda o caso

Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril, uma sexta-feira, em Três Passos. Na noite de segunda-feira, 14, o corpo do menino foi encontrado no interior de Frederico Westphalen dentro de um saco plástico e enterrado às margens do Rio Mico, na localidade de Linha São Francisco, interior do município.

Segundo a Polícia Civil, Bernardo foi dopado antes de ser morto com uma injeção letal no dia 4. Seu corpo foi velado em Santa Maria e sepultado na mesma cidade. No dia 14, foram presos o médico Leandro Boldrini, a madrasta e uma terceira pessoa, identificada como Edelvania Wirganovicz, 40 anos. Evandro Wirganovicz, irmão de Edilvânia, também foi preso acusado de participar da ocultação do cadáver. Os quatro foram indiciados e deverão ir a julgamento.

Três Passos News/Foto: Facebook/Reprodução