Atual secretário do Mato Grosso do Sul vai assumir a pasta da Segurança.

Nomes de últimos seis secretários serão conhecidos até a posse no dia 1º.

 

Estêvão PiresDo G1 RS

Sartori anuncia secretariado (Foto: Estêvão Pires/G1)Sartori anuncia parte do secretariado em entrevista coletiva (Foto: Estêvão Pires/G1)

O governador eleito José Ivo Sartori (PMDB) anunciou nesta segunda-feira (15) em entrevista coletiva mais uma parte do secretariado que irá compor o novo governo do Rio Grande do Sul. No total, 10 nomes foram confirmados, que se jutam aos três já anunciados anteriormente. 



A grande surpresa ficou por conta da Secretaria de Segurança, que será assumida por Wantuir Jacini. Natural de São Gabriel, na Campanha, ele é delegado da Polícia Federal e atual secretário de Segurança do Mato Grosso do Sul. 



"Ele tem experiência, tem conhecimento de fronteiras, tem trabalhos realizados em Brasília, no Rio Grande do Sul e em outros estados. É uma pessoa muito simples, muito humilde, mas muito profissional, que fomos buscar para assumir esse desafio. Com a experiência que tem, vai com certeza ajudar muita essa questão no Rio Grande do Sul", disse Sartori.



Alguns nomes já esperados foram confirmados. Ernani Polo (PP) será o secretário da Agricultura e Pedro Westphalen (PP) o de Transportes. Vieira da Cunha (PDT) assume a pasta da Educação, Gerson Burmann (PDT) a de Obras, Saneamento e Habitação, Lucas Redecker a de Minas e Energia, Mick Breier (PSB) a do Trabalho e João Gabardo (PMDB) a da Saúde. 

A Secretaria do Meio Ambiente ficará com Ana Pellini, atual secretária de licenciamento e regulamentação fundiária da Prefeitura de Porto Alegre. O nome dela foi questionado por entidades ambientalistas, que divulgaram um manifesto contra a indicação dela. 



"Algumas entidades apresentaram documento contra o nome de Ana Pellini. Acho normal isso, vamos ter o melhor relacionamento com essas organizações. Devo colocar isso como uma postura pessoal. Como prefeito sempre convivi com todas as entidades", comentou Sartori.



Outro nome que não era especulado é o do promotor César Faccioli para a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos. Segundo Sartori, a confirmação dele, no entanto, ainda depende de aval do Conselho Superior do Ministério Público (MP).

No dia 4 deste mês, Sartori já havia divulgado três nomes. Márcio Biolchi para a Casa Civil, Giovani Feltes para a Secretaria da Fazenda e Carlos Búrigo para a Secretaria-geral de Governo. Resta anunciar ainda os nomes de seis secretarias (Cultura, Turismo, Desenvolvimento, Desenvolvimento Rural, Administração e Planejamento), que devem ser definidos até a posse.

O novo governo assume o Palácio Piratini em 1º de janeiro de 2015. Futuros cortes em secretarias já foram confirmados por Sartori. O governador eleito afirmou que vai fundir algumas pastas e desdobrar outras, com o objetivo de ter "mais agilidade e dinâmica" nas ações de governo. Segundo ele, cerca de 20% das atuais secretarias serão extintas. A Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, por exemplo, é uma delas.



Os novos secretários

Agricultura e Pacuária: Ernani Polo (PP)

Ambiente e Desenvolvimento Sustentável: Ana Pellini

Educação: Vieira da Cunha (PDT)

Justiça e Direitos Humanos: Cesar Faccioli

Minas e Energia: Lucas Redecker (PSDB)

Obras, Saneamento e Habitação: Gerson Burmann (PDT)

Saúde: João Gabardo (PMDB)

Segurança: Wantuir Jacini

Trabalho e Desenvolvimento Social: Mick Breier (PSB)

Transportes e Mobilidade: Pedro Westphalen (PP)