A coluna destrinchou o índice de inflação para verificar as afirmações do presidente

Por Giane Guerra

No pronunciamento de Natal, o presidente da República disse que está mais barato comer, vestir e morar no Brasil durante o seu governo. Michel Temer finaliza que “está mais barato viver”.

Ouvintes da Rádio Gaúcha reclamam de imediato quando replicamos a fala do presidente. Não sentem o alívio de preços citado pelo presidente.

Vamos destrinchar a inflação, que é o indicador usado para medir a variação nos gastos de uma família média brasileira. Usaremos o IPCA, calculado pelo IBGE e considerado a inflação oficial. Ainda há outros indicadores, medidos paralelamente por outras instituições e empresas, e que estão dando resultado parecido.

Está mais barato viver?

Olhando o IPCA acumulado de 12 meses, a inflação está em 2,94%. É baixa e fica abaixo do piso da meta do Governo Federal. No entanto, ainda aponta aumento de preços. Ou seja, não está mais barato, como disse Temer. Está sim aumentando menos o gasto de uma família padrão que se encaixa na metodologia do indicador.

Está mais barato comer?

Sim, está. Aqui, o presidente acerta. O grupo Alimentação e Bebidas, que engloba preços de alimentos para consumir em casa e também refeições na rua, acumula queda de 2,15%. É uma média, puxada bastante por alimentos in natura. A comida pesa bastante no orçamento da família média brasileira e, portanto, também na metodologia do cálculo da inflação. Por isso, tem essa capacidade de segurar tanto o índice apesar do aumento de outros itens importantes no orçamento.

Está mais barato vestir-se?

Não está. O grupo de despesa Vestuário acumula alta de 2,55% em 12 meses. Há variações sazonais, com quedas nas trocas de estação, por exemplo.

Está mais barato morar?

Também não, presidente. O grupo Habitação é destaque de alta, com elevação de 6,15% em 12 meses. Ou seja, mais do que o dobro da inflação média. Aqui, tem forte influência das contas de luz e do gás de cozinha.

E mais…

Presidente não falou, mas os grupos Saúde (+6,68%), Educação (+6,96) e Transportes (+4,31) também estão pressionando o bolso do consumidor. A coluna destaca a disparada da gasolina, os reajustes assustadores dos planos de saúde e mesmo as mensalidades escolares com elevações até superiores a 10%, ou seja, mais do que o triplo da inflação.

Gauchazh