Por Alaides Garcia dos Santos

 

 

Será um grande desafio e uma enorme responsabilidade assumir esta pasta que considero fundamental para a economia do Rio Grande e do país.

O santoaugustense, deputado estadual Ernani Polo (PP), originário do meio rural, mais precisamente da localidade de Santo Antônio, filho de Alvorindo Polo, agricultor e prefeito duas vezes, e de Iracer Polo, agricultora e ex vice-prefeita, formado em direito, vereador mais votado na história de Santo Augusto, ex-chefe de gabinete do deputado Jerônimo Goergen, reeleito na última eleição para o segundo mandato de deputado estadual, foi indicado por seu partido e aceito pelo governador eleito José Ivo Sartori, para exercer a titularidade da pasta da Secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária a partir de 1º de janeiro próximo. O anúncio aconteceu na última segunda-feira, dia 15. Assim, a Região Celeiro que tem sua base econômica essencialmente na agricultura e pecuária estará fazendo parte do governo no comando dessa importante secretaria. Com exclusividade, Ernani concedeu ao jornal O Celeiro, a seguinte entrevista:

 

O que o levou aceitar ser Secretário da Agricultura?

Tenho desde criança uma relação muito próxima com o meio rural, por ter crescido junto à lavoura, onde, na propriedade de nossa família, pude trabalhar na produção de leite, grãos e suínos. Tenho o maior respeito pelos produtores rurais, pois são os responsáveis por, diariamente, levar o alimento à mesa dos consumidores. Ao assumir meu mandato na Assembleia Legislativa, presidi a Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo em 2011, onde desenvolvemos o projeto "Radiografia da Agropecuária Gaúcha", um estudo que realizou levantamento técnico profundo dos últimos 15 anos do setor agropecuário, com dados atualizados sobre as principais tendências, potencialidades, necessidades e carências do setor primário do Rio Grande. Como deputado estadual, sempre participei de ações na defesa de projetos voltados ao homem do campo. A defesa do setor primário sempre foi uma prioridade do nosso trabalho. Será um grande desafio e uma enorme responsabilidade assumir esta pasta que considero fundamental para a economia do Rio Grande e do país. Quero dividir esta oportunidade com todos os amigos e conterrâneos, ainda mais sendo o primeiro santoaugustense a estar à frente da secretaria da agricultura, pecuária e agronegócio do RS. Vale ressaltar que a agropecuária é responsável por cerca de 45% do PIB gaúcho. Sei que esse processo vai exigir de nós muito empenho e um grande esforço, mas entendo que podemos realizar um bom trabalho, com resultados positivos ao homem do campo, que ainda têm muito a conquistar para a melhoria da qualidade de vida e geração de emprego e renda. Estaremos permanentemente dialogando com as cadeias produtivas, associações, sindicatos, e federações.

 

Há eleitores seus que preferem vê-lo exercendo o cargo de deputado, para o qual foi eleito.

É evidente que temos uma responsabilidade muito grande com cada um dos 57.427 eleitores que confiaram seu voto para nos reeleger. Meu compromisso continua com eles e com todo o Rio Grande, para seguir atendendo as demandas de cada localidade e região da mesma forma que sempre estive a disposição. Inclusive não iremos nos afastar do apoio às pessoas com deficiência e da defesa dos consumidores de energia elétrica e telefonia, não medindo esforços para melhor responder as solicitações apresentadas. Porém entendo que assumir a secretaria da agricultura é um chamamento muito especial, uma missão conferida pelo governador eleito José Ivo Sartori que muito me honra, assim como ter sido indicado pelo Partido Progressista. O fato de assumirmos uma secretaria de Estado nos aproxima para termos relacionamentos com secretários das demais pastas. Isso possibilitará encaminhar e atender demandas, além da agricultura, de outras áreas também, até porque teremos na secretaria da agricultura um espaço para que as lideranças que relacionam-se conosco possam encaminhar demandas de outras áreas. Na secretaria da agricultura, teremos a oportunidade de atender os anseios não só dos eleitores que em mim confiaram, como também da sociedade gaúcha como um todo, que espera um setor primário forte, produzindo alimentos com qualidade e quantidade.

 

Quais suas principais metas como Secretário da Agricultura?

Na secretaria da agricultura temos muito a fazer. Vamos valorizar o que de bom foi realizado, seguindo com iniciativas que deram certo e precisam continuar, como também iremos desenvolver projetos novos. Estimular a ampliação da irrigação, que terá todas as suas ações relacionadas, que estavam sob a responsabilidade de outras secretarias, agora concentradas em nossa secretaria. A recuperação e melhoria de nosso solo também é muito importante. Faremos um amplo diálogo com os setores produtivos para que, juntos, possamos traçar metas de ação. A agropecuária tem um potencial econômico enorme, mas têm graves carências. Precisamos tratar como prioridade a sanidade animal, condição fundamental para a abertura de novos mercados. Devemos incentivar a agroindustrialização, que gera emprego e renda, agregando valor aos nossos produtos. Da mesma forma, entendo que o incentivo a pesquisa e a inovação tecnológica é fundamental, pois representará avanço direto em produtividade e qualidade dos alimentos. Um ponto que reputo como essencial e que faremos, é manter um processo constante de integração com outras secretarias, para atuar em áreas chave como segurança no campo, logística, infraestrutura em energia elétrica e comunicações, assim como dar agilidade e celeridade aos licenciamentos ambientais. Também vamos trabalhar para que o crédito agrícola possa ser ampliado ao produtor e para que possamos melhorar o seguro de renda, a fim de que seja mais completo e abrangente.

 

Outras informações julgadas úteis.

A sintonia com os ministérios da agricultura e do desenvolvimento agrário será prioritária também em nosso mandato a frente da secretaria da agricultura, pecuária e agronegócio. Da mesma forma que atuaremos integrados com a pasta do desenvolvimento rural e com as secretarias municipais de agricultura. Ressalvo o apoio que tenho recebido do ex ministro da agricultura Francisco Turra, homem conhecedor desta área, que abrirá muitas portas e que tem sido um grande conselheiro. Temos um grande desafio para auxiliar, de alguma forma, a alavancar a produtividade do setor primário, atuando em sintonia com todas as esferas do novo governo, que terá a missão de lidar com as dificuldades financeiras do Estado, mas que, com espírito de solidariedade, terá condições de superar barreiras e alcançar objetivos. Contamos com o apoio da população gaúcha neste novo desafio. Estamos confiantes e preparados para dar o melhor que pudermos nesta nova caminhada.