Por Wanderley Soares

 

Lei Complementar busca disciplinar, sem criminalizar, a onda do consumo de drogas.

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou projeto de Lei Complementar que deverá mudar a Lei Antidrogas. Um dos pontos principais do diploma tem a pretensão de tornar clara a diferença entre usuário de droga e traficante. Pelo texto, o usuário é quem porta drogas em quantidade suficiente para consumir por até cinco dias. A partir disso, caberá à Agência Nacional de Vigilância Sanitária definir o volume definitivo da droga possível de ser portada pelo usuário. O texto vai passar por mais quatro comissões nas quais, por evidência, haverá viciados e não viciados, antes de ir ao Plenário do Senado. Sobre a clareza da CCJ, sigam-me

Chops

Todas as pessoas lúcidas e bem informadas, viciadas em alguma coisa ou não, sabem que as fraquezas da carne e/ou da alma não chegam a ser solucionadas, em termos ideais, nem por leis, nem por injeções na veia, nem por reza brava ou divãs de psicanalistas e, muito menos, pela Polícia ou pelo Ministério Público. Por exemplo: é claro que não quero que os meus vizinhos maconheiros sejam criminalizados, pois sei que são gente boa e trabalhadora. Nesta moldura, gostaria que eles tivessem, por conta da prefeitura – logo, mantidos pelo erário – maconhódromos longe de minha torre, pois a fumacinha desta ervinha expande um deletério odor de merda. No entanto, a existência do maconhódromo, tornaria, no mínimo, oficioso o fornecimento da droga por produtores clandestinos e forçaria o Estado a conceder aos sem-terra espaço para o plantio da maconha, que seria a oficial em concorrência com a oferta da bandidagem internacional

Ainda sobre o tema

Sem perder o equilíbrio e, muito menos, a seriedade, aponto que os policiais, os membros do Ministério Público e mesmo os cidadãos civis, deverão ser orientados sobre o que um usuário poderá consumir até morrer, a cada cinco dias, das drogas que ocupam a ponta da oferta e da procura atual, que são a maconha, o crack e a coca. Ao considerar estas tinturas, proponho que a questão, apenas para ser analisada em tese, seja transferida para os usuários de drogas lícitas. Quantos chops poderiam ser consumidos, legalmente, por um usuário comum, em cinco dias?

Execução cuidadosa

Três homens invadiram uma residência e mataram um homem, durante a madrugada de ontem, no bairro Guarujá, na Zona Sul de Porto Alegre. Segundo testemunhas, os atiradores perguntaram o nome da vítima (Paulo Roberto) antes de consumar a execução. Isso indica que os bandidos não estão somente certos da impunidade, como passaram a tomar cuidado em não gastarem munição de forma equivocada