Por Alaides Garcia dos Santos

Bairro Cerro Azul

Presidente: Cristiano Lemos da Silva

Dando prosseguimento à divulgação dos bairros de Santo Augusto, a reportagem conversou esta semana com o presidente da Associação de Moradores do Bairro Cerro Azul, Cristiano Lemos da Silva e, também, com outros moradores daquela comunidade.

 

 Vista panorâmica do bairro

Inicialmente o presidente referiu quanto a Rua Heitor Rodrigues de Mello, situada entre a área urbana e uma lavoura. Na verdade, o que era para ser uma rua com calçamento, canalização e boca de lobo, não passa de um carreiro, uma buraqueira, disse. Como o terreno é em declive acentuado, a correnteza formada pela água da chuva no leito da via além da erosão que causa, leva terra da lavoura para dentro das casas de moradia. A água abre sulcos e buracos no meio da rua tornando o trecho de dois quarteirões totalmente intransitável. O desleixo do Poder Público está levando os moradores a planejar uma manifestação com bloqueio da Rua principal (Rua Mário Fucilini – que liga a cidade ao interior), deixando como alternativa o desvio pela rua questionada, e assim mostrar quão caótica é a situação. Inúmeros pedidos de providências já foram feitos no decorrer de longos anos, mas nenhuma das sucessivas administrações se dignou resolver aquele problema.

 

     

Rua Heitor Rodrigues de Mello

O nosso bairro sofre discriminação, nunca foi bem visto pelas autoridades municipais. E não é de hoje, esse descaso vem acontecendo desde sempre, por todos os prefeitos que já administraram Santo Augusto.

Perigo –O abrigo na parada de ônibus, casinha como os moradores dizem, situada quase defronte à sede do bairro, está oferecendo sérios riscos de desabamento do teto que é feito de concreto. Como aquele é o local onde os alunos aguardam o transporte, os moradores temem que aquela chapa de concreto caia em cima das crianças.

 

Abrigo que oferece riscos

Secretário de Obras –Ao jornal o Secretário de Obras Valdez Krampe disse desconhecer o fato relativo ao abrigo, porém garantiu que vai verificar no local e tomar as devidas providências. Já com relação à Rua Heitor Rodrigues de Mello, Valdez disse conhecer o problema, mas depende de um projeto para canalização, bocas de lobo e calçamento, contudo, disse que em breve vai patrolar e cascalhar a rua.

Sede própria –A sede própria do bairro só foi conseguida depois de muita luta e protestos. A prefeitura doou o terreno e construiu no local um barraco, só a armação e cobertura, ficando tudo aberto, sem paredes, sem piso, com chão batido. Mais tarde com material doado pela prefeitura e mão de obra dos moradores, foi concluída.

Sede do bairro

Quadra de esportes –é uma reivindicação antiga dos moradores, pois apesar das promessas durante as campanhas eleitorais, nunca, nenhum prefeito atendeu a esse pedido. Em 2008, em meio à campanha eleitoral, o então candidato a prefeito e seu vice (coincidentemente os que acabaram eleitos) esteve no bairro pedindo voto, oportunidade que foi dito da necessidade de uma quadra de esportes. Prontamente, na mesma hora, eles chamaram um técnico e mandaram medir a área, garantindo que, se eleitos, a quadra sairia ainda no primeiro ano de mandato. Resultado: levaram os votos dos humildes moradores, ganharam a eleição, governaram os quatro anos e “nunca se lembraram da promessa feita”. Coincidência – Na última campanha eleitoral (2012), o então candidato, e que hoje governa o município, esteve no bairro pedindo voto e perguntando sobre as necessidades lá existentes. A construção da quadra de esportes foi uma das necessidades apontadas. Tal qual o anterior, mostrou-se impressionado com o descaso da administração municipal para com aquele bairro e, prometeu que, se eleito, ainda no primeiro ano de mandato, mandaria fazer a quadra.  O resultado? Levou os votos dos sofridos eleitores, se elegeu, já está há um ano e meio governando, e a quadra de esportes prometida, “nada” ainda, reclama o presidente.

Iluminação pública –Os moradores sofrem com a falta de iluminação pública, pois há vários pontos do bairro necessitando de reposição de lâmpadas.

Saúde pública –Com relação à saúde pública, os moradores são atendidos no Posto Novo Milênio, que funciona no prédio do Ciep, bairro Santo Antônio. O presidente queixa-se que, para pegar ficha as pessoas chegam às três horas da manhã, mas o portão do pátio só abre às 05h30min e, enquanto isso, por horas a fio ficam expostas às intempéries, muitas vezes na chuva e/ou frio. As gestantes, algumas têm de esperar duas a três semanas para atendimento, isso devido a demanda, pois o número de atendimentos é muito reduzido. Agente de saúde, o bairro conta com uma, mas as visitas às casas são raras, por isso os moradores sugerem que sejam feitas mais frequentes, pelo menos uma vez por semana.

Escolas –As crianças e adolescentes do bairro estudam no Ciep (bairro Santo Antônio), ou na Escola Municipal Sol Nascente (no bairro Zeca Silva).

Templos religiosos –No bairro só existe um templo religioso, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus.

 

 Igreja Assembleia de Deus

Lazer –O bairro não possui nenhum local para lazer, esporte e recreação, as crianças e adolescentes, simplesmente não têm onde brincar, praticar esportes, se divertir.

Segurança –O bairro não possui segurança de espécie alguma, é completamente abandonado, parece um lugar fora do contesto de Santo Augusto. A Brigada Militar comparece quando solicitada, mas o patrulhamento como nos demais bairros não faz.

Assistência social –O bairro é composto por pessoas pobres, havendo uma parte em situação de pobreza extrema, muitos deles idosos, doentes e morando em casas sem a menor condição de habitação humana. Não têm nem quem os conduza ao Posto de Saúde ou ao hospital. Muitas delas perecem por falta de condições.

Vereadores –Não dá para contar com os vereadores, eles são completamente ausentes, o único que nos dá um pouco de atenção é o Joelzinho, mas de dizer que estão ao nosso lado para acompanhar e cobrar do prefeito providências e soluções para os nossos problemas, não tem nenhum, reclama o presidente.