Diante da crise hídrica que atinge a região sudeste, começo a recordar que no ano de 2007 estudávamos em Direito Ambiental a provável crise que essa região sofreria num cenário de pouco investimento no setor de águas, bem como a falta de consciência ecológica por parte da população. Geralmente não damos muita importância para estudos científicos. Precisamos ver os fatos para que possamos dar crédito.

O Brasil está em alerta, mas poucos percebem. A água está diminuindo nos mananciais. A história recente nos mostra que nunca houve uma seca de tamanha proporção quanto dessa que vem se manifestando nos últimos 3 anos. A Natureza nos dá sinais de cansaço. É muito consumo, acrescentado de um grande desperdício. Pois até o que cai do céu está ficando pouco.

O Planeta Terra é um sistema vivo que  se intercomunica. Tudo está em sintonia. A Natureza parece não ter pressa para que possamos nos dar conta do cuidado que devemos ter. A ganância desenfreada do homem encontrará freios naturalmente, no autocontrole natural. Se não aprendemos no amor, aprendemos na dor. Do banho demorado para o sem banho. Essa é a questão. Quando se tem consciência o banho é rápido e não se joga nada fora.

 A Natureza equalizará todos no mesmo nível, pobres e ricos. Embora os que mais sofrem sejam os pobres. Milhares de brasileiros saberão um pouquinho da realidade nordestina na pele. A canção Asa Branca composta por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira em 1947 se tornará atual  em grande parte do Brasil.

Que o homem se de conta rapidamente dos cuidados ecológicos que deve ter. Do simples papel jogado ao chão, até a árvore que tomba, tudo é contabilizado pela Mãe Natureza que num momento muito em breve nos cobrará  caro por isso. Todos pagam o preço. Diretamente ou indiretamente. As atitudes de cada um de nós reflete no todo, pois é sempre válido recordar esse princípio ecológico: a Terra é um sistema vivo que se intercomunica. O Planeta merece ser mais bem cuidado. Por Enio Felipin – colunista do jornal O Celeiro