Humor

Compulsando a revista Veja, edição do dia 13 do presente mês de junho, na página 33, que versa sobre “humor” – Sensacionalista – li tópicos hilariantes, excelentes para um bom passatempo, contudo não muito distantes da lamentável realidade do momento brasileiro, com destaque para três personalidades, por vezes, perturbadoras: Temer, Gilmar Mendes e Lula. Peço licença aos leitores e leitoras para, respeitosamente, no intuito de descontrair, transcrever aqui, na sua originalidade, alguns deles.

 Isso é horrível!

 Eis o título da piada (piada?) do sensacionalista: “Temer vai atrelar diesel à sua popularidade para ver se o preço cai”. O texto é este: O Palácio do Planalto encontrou uma fórmula infalível para reduzir o preço do diesel. A partir de agora, o valor do combustível vai oscilar de acordo com a variação da popularidade do presidente Michel Temer. Segundo técnicos, a possibilidade de o diesel subir, portanto, será nula. O maior risco detectado na estratégia até agora é que o combustível acabe ficando com preço negativo. Os motoristas passariam a ganhar dinheiro para abastecer. Se a medida já estivesse valendo, o diesel certamente estaria mais barato nesta semana. A Polícia Federal investiga se Temer é o verdadeiro dono de uma fazenda no interior de São Paulo. O presidente afirma que a propriedade é de um amigo. Depois da declaração, Lula já está processando Temer por apropriação cultural.

 Na Papuda

 Na Papuda, imagens de Jesus são trocadas pelas de Gilmar Mendes. Ele é o padroeiro dos encarcerados, o desatador dos nós naqueles que anseiam pela liberdade, o protetor dos falsos arrependidos. Gilmar Mendes destronou todos os santos dos presidiários da penitenciária da Papuda. Até as imagens de Jesus foram trocadas por suas fotos de toga, o que combina mais com pessoas religiosas e de bem. Afinal, a grande toga negra cobre mais do corpo do que os minúsculos panos do Nazareno. O pai-nosso aos poucos também é substituído por orações a São Gilmar, embora nem sempre se respeite o português correto. “Venha a nós o vosso habeas-corpus, seja feita vossa vontade, assina os pedidos e solta os réu”.

A propósito

Com petulância e atrevimento, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes afronta, desafia e desrespeita os brasileiros de bem. Com suas atitudes deslocadas já soltou mais de vinte corruptos da Lava-Jato.

 Lula devolve o terço

 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, recebeu um presente do Vaticano: um rosário de contas negras numa caixa com brasão de armas do papado. Ao receber a notícia de que havia recebido um terço, Lula cometeu uma gafe: “Um terço de que obra? Qual empreiteira?” Logo recomposto, Lula recebeu o presente e passou alguns minutos com o objeto na mão. Ao fim, devolveu para o emissário do santo padre e disse que já havia abençoado o rosário. “Não sabia que o Deus deles estava de férias. Mas eu não falho. Nunca na história desta religião uma deidade como eu continuou trabalhando mesmo atrás das grades”, comentou.

Corrupto não é bandido?

“A segurança pública é uma questão que tem se tornado mais grave até porque o país, nos últimos anos, fez a opção pelo combate à corrupção no lugar de combater bandido. Essa é a realidade”. Vejam a que ponto nós chegamos. Essa preciosidade saiu da boca do ministro Carlos Marun, para o qual “corrupto não é bandido”. Esse ministro, que é Chefe da Secretaria de Governo, associou o aumento da onda de violência no país à atenção dada pelo Ministério Público e pela Polícia Federal ao combate à corrupção. Para ele há uma inversão de valores, e chamou o Código Penal de “patrimonialista”, defendendo que quem deve ir para a cadeia são os criminosos que atentam contra a vida. Nas entrelinhas, o representante do governo Temer disse que roubar não é crime. É assim que eles pensam!

Que descalabro

Só faltava essa! E corrupto não mata? Mata sim, e muito mais do que em homicídios comuns. A corrupção mata quando tira R$ 200 bilhões dos cofres públicos por ano no Brasil. Assim, o corrupto mata crianças por falta de UTIs; mata os doentes por falta de hospitais; mata pessoas em acidentes de trânsito por falta de estradas mais seguras; mata o futuro do Brasil por falta de investimentos em educação. A corrupção é uma assassina sorrateira, invisível e de massa. Ela é um serial killer que se disfarça de buracos em estradas, em falta de medicamentos, de crimes de rua e de pobreza.

A omissão também mata

Portanto, sabemos e estamos cientes de que corrupção mata, mas há que fazermos mea-culpa, a alienação e omissão também matam e pior, nos torna cúmplices. Cada vez que votamos por votar sem conhecer o candidato ou escolhendo maus candidatos somos omissos. Somos omissos, também, quando votamos e sequer acompanhamos o desempenho do nosso candidato – se eleito – durante o mandato. Somos omissos quando reelegemos os mesmos que já nos roubaram e enganaram e usamos como desculpa a frase “mas não tem outro melhor”. Ou “político é tudo igual”.

Alienados

Somos alienados e coniventes quando achamos que um benefício como asfalto, reajuste salarial, reforma de escola são favores para a comunidade. Político não faz favor. Ele é servidor público eleito para cumprir uma obrigação e nem salário devia ter. Muitos países que não sofrem os males da corrupção não dão salários aos seus políticos. Muito menos auxilio paletó de mais de R$ 5 mil. Se quisermos acabar com a corrupção precisamos moralizar primeiro a nós mesmos e parar de aceitar estes absurdos. Do contrário, cada ano pagaremos mais impostos e o dinheiro continuará indo para o bolso deles ao invés de reverter em benefícios para a população.

É hora de reagir