Caso aconteceu no bairro Teresópolis, na zona sul da Capital

Atualizada em 14/11/2014 | 08h1614/11/2014 | 01h33
Com homem baleado, Brigada Militar liberta idosa mantida em cárcere privado em Porto Alegre Carlos Macedo/Agência RBS

Homem se entregou por volta das 7h30min após ser baleado no braçoFoto: Carlos Macedo / Agência RBS

Após mais de sete horas de negociações, a Brigada Militar libertou uma idosa de 78 anos que era mantida em cárcere privado pelo filho Breno Galli, de 54 anos, no bairro Teresópolis, zona sul de Porto Alegre. Ele foi ferido sem gravide com um tiro no braço direito após disparar mais de 33 vezes contra os policiais. A mulher não teve ferimentos. O caso aconteceu na Avenida Engenheiro Ludolfo Bohel, próximo ao Teresópolis Tênis Clube.



Galli decidiu se entregar logo após ser ferido por um disparo da polícia. Segundo o comandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC), coronel João Diniz Godói, o homem relatava estar com medo de morrer.



— Ele gritava eu vou morrer, eu vou morrer. Então, fomos avançando e avisando pra ele que prestaríamos socorro. Nós derrubamos a barricada que ele havia montado na porta com móveis da casa e não houve reação quando os PMs entraram — disse o coronel João Diniz Godói, comandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC).



O homem não comentou o que o motivou a manter a própria mãe em cárcere privado. De acordo com a BM, Galli teria algum transtorno psicológico, que será avaliado logo após ser atendido por médicos, devido à lesão no braço. Ele pode ser autuado por tentativa de homicídio e cárcere privado.



Logo que os policiais chegaram ao local, ele efetuou disparos, que foram ouvidos pelos vizinhos da residência. Em razão disso, a Brigada Militar foi acionada por volta das 22h. Um grupo de negociadores do Batalhão de Operações Especiais permaneceu no local durante a madrugada, junto com uma psicóloga e uma irmã do homem, que auxiliava na conversa. Também esteve no local uma equipe da CEEE, caso fosse necessário cortar a luz da casa. Mais tarde, a BM irá informar as armas que foram utilizadas por Galli.



No dia 30 de outubro, um outro homem manteve a companheira, grávida de quatro meses, por cárcere privado por pelo menos oito horas no bairro Partenon.

Clicrbs