O programa Todo Jovem na Escola, que pagará uma bolsa de R$ 150 mensais para alunos de baixa renda familiar, foi aprovado por unanimidade na Assembleia Legislativa. O objetivo do programa é reduzir o impacto da pandemia na rede estadual, bem como prevenir abandono e evasão escolar, além de incentivar que os alunos concluam o Ensino Médio. Uma boa ideia, sem dúvida, quando se sabe dos problemas criados pelo recesso escolar em razão do coronavírus, tanto em 2020 como neste ano de 2021.

Caberá à Secretaria da Educação (Seduc) creditar o auxílio financeiro no Cartão Cidadão da Família. Serão atendidos cerca de 80 mil estudantes de 15 a 21 anos. O investimento total do governo do Estado é de R$ 180 milhões até dezembro de 2022. Entre os requisitos para receber a bolsa, estão atender aos critérios de renda do CadÚnico e ter Cartão Cidadão, estar regularmente matriculado no Ensino Médio da rede estadual de ensino, com engajamento estudantil mensal de 80% ou mais nas atividades escolares. Finalmente, mas muito importante, a participação regular em avaliações e ações promovidas pela Seduc.
O primeiro pagamento da bolsa estudantil foi neste 20 de dezembro, retroativo aos meses de outubro e novembro, com R$ 300, e o de dezembro ficando para 20 de janeiro de 2022, desde que o estudante cumpra os requisitos de frequência e engajamento estudantil. Além da distribuição de bolsas de estudo para alunos do Ensino Médio, o Programa Avançar na Educação contempla um plano de investimentos de R$ 1,2 bilhão até 2022, com recursos do Tesouro do Estado. As ações contemplam, entre outros segmentos, obras, tecnologia, capacitação e programas para melhorar a aprendizagem. É o maior investimento na educação estadual gaúcha dos últimos 15 anos. É uma iniciativa muito boa, pois, repete-se, o ensino curricular teve suspensas aulas presenciais quando dos picos da pandemia, prejudicando o aprendizado de milhares de jovens. A consequência, além da falha das aulas, levou muitos a desistirem do comparecimento às escolas, com prejuízos nos seus planos profissionais, quando na idade adulta plena.
Quando a maior parte da preocupação durante a pandemia, com razão, estava com a situação econômico-financeira de empresas, especialmente no comércio lojista, proibido de operar, o ensino tradicional foi meio que esquecido e agora, finalmente, mas ainda em tempo, o programa Todo Jovem na Escola busca recuperar as lacunas que prejudicaram os dois anos escolares. Repete-se sempre, fora da educação não há possibilidade de ascensão social para milhares de meninos e meninas.
Jornal do Comércio