Bernardo sabia o quanto era odiado e procurou ajuda na esperança de continuar vivendo

Créditos: Divulgação- Álbum de família

Bernardo, e a mãe

Conforme o psiquiatra Carlos Heckteuer, o menino era visto pelo pai como uma figura satânica dentro de casa. Bernardo era, para o pai, a representação da morte da esposa.

O garoto com o passar dos anos passou a ser um entrave no novo relacionamento de Leandro. Ele lembrava um passado de dor e desespero. Heckteuer afirma que o menino estava com a morte anunciada.

O psiquiatra lembra, ainda, que Bernardo percebia o quanto era odiado pela família. Prova disso é que ele procurou afeto com vizinhos e amigos, além de pedir ajuda ao Fórum local.

 O psiquiatra ressalta que Bernardo foi expulso da vida pelos próprios familiares. Sobre o pai do garoto ser indiciado como o mandante do crime, Heckteuer diz que a atitude de Boldrini foi a de um legítimo psicopata.

                                                                                                                                                                                   Rádio Uirapuru