Prostitutas que participaram da campanha de prevenção à aids vetada e depois modificada pelo Ministério da Saúde decidiram revogar a autorização do uso da imagem. Uma notificação extrajudicial foi encaminhada para a pasta exigindo a suspensão de todas as peças da campanha. "Também vamos formalizar o fim da nossa parceria com o ministério", contou a presidente da Rede Brasileira de Prostitutas, Gabriela Leite.

As participantes alegam radical mudança da campanha original, feita a partir de uma oficina de prevenção. Na época, o então ministro da Saúde, Alexandre Padilha, determinou a suspensão da campanha. A justificativa era a de que as peças não haviam sido formalmente aprovadas. Dois dias depois, a campanha, com menor número de peças e com modificações, foi relançada. A polêmica levou a demissões no Ministério da Saúde.

Leia também:

Ministério da Saúde omite gasto com publicidade de Padilha e Chioro

Comissão de ética arquiva processos contra cinco ministros de Dilma

Jornal belga destaca aulas de inglês gratuitas para prostitutas brasileiras que atenderão na Copa

Em nota, a Rede observa que o governo retirou do ar peças que tratam de felicidade (com dizeres "Sou feliz sendo prostituta"), de cidadania (com slogan "O sonho maior é que a sociedade nos veja como cidadãs") e da luta contra a violência ("Não aceitar as pessoas da forma que elas são é uma violência"), deixando apenas as que associam prevenção com camisinha. "A valorização da autoestima é essencial. Não concordamos com a nova abordagem do governo", disse Gabriela.

A presidente da Rede afirmou que a organização não participará de nenhuma outra iniciativa com o Ministério da Saúde. "Os recentes episódios são um claro sinal de desrespeito", observou. A Rede já cancelou a participação numa oficina de trabalho, organizada pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais programada para o início do mês. "Nossa parceria com o governo é histórica. Desde 1989 preparamos em conjunto trabalhos de prevenção, mas com a filosofia atual do governo, não há a menor condição", completou. Procurado, o Ministério da Saúde não se manifestou.

Lígia Formenti

O Estado de S. Paulo

Originalmente publicada em 11/06/2013

Folha Política