Entrevista – Antônio Sartori – Prefeito de Campo Novo 

“Eu estava com a consciência limpa, tranquila, muito sereno o tempo todo, confiante na justiça, pois nada de errado havia feito”.

Em julgamento levado a efeito terça-feira desta semana (03/07), no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o prefeito Antônio Sartori, de Campo Novo, foi absolvido por 5 votos a 1.

Contra Sartori foi movida ação ajuizada por Edison Baraldi Machado, segundo o qual o prefeito e candidato à reeleição Antônio Sartori teria realizado contratação irregular da empresa Comércio de Materiais de Construção Zete Ltda, pertencente à esposa do então candidato a vereador “Julião”, para a execução de obras de pavimentação de ruas e reparos em salas de aula do município, com o propósito de favorecer “Julião” e captar votos para a reeleição da chapa encabeçada por Sartori.

Em sentença de 1º grau, Processo 31631, prolatada em 08/12/2017, foi julgada improcedente a ação ajuizada por Edson Baraldi Machado, o que motivou recurso na instância superior, ou seja, no TRE onde, segundo Sartori, houve absolvição nesta terça-feira.

Sobre o desfecho no julgamento, resultando em sua absolvição, Sartori falou ao jornal O Celeiro:

– Prefeito Sartori, o que o senhor tem a dizer após ser absolvido pelo TRE?

– Até hoje eu trabalhei, nesses dois anos e pouco de mandato, sob muita pressão em todos os sentidos, muitas dificuldades, às vezes, de poder focar mais nos interesses da comunidade, em função de meia dúzia de “quanto pior melhor” que atrapalham o trabalho sério e transparente da nossa gestão. Isso tem trazido prejuízo para a comunidade, porque não é o político que perde, quem perde é a comunidade.

Mas eu estava com a consciência limpa, tranquila, estive muito sereno nesse tempo todo, pois nada de errado havia feito e que a justiça seria feita no Tribunal.

– Essa denúncia já havia sido considerada improcedente em 1º grau?

– Quero enaltecer o trabalho do doutor Sérgio Pires, do Emanuel Cardoso, que me defenderam em primeira instância, elogiar também o brilhante trabalho do judiciário de Coronel Bicaco, doutor Ruggiero, da promotora Dinamárcia, pelo trabalho sério que fizeram, colocando a justiça acima de qualquer interesse. Quero agradecer a doutora Maritania Dallagnol, que trabalhou comigo no TRE, fazendo um belíssimo trabalho também, fazendo com que a gente saísse vitorioso.

– A que o senhor atribui essas denúncias de seus opositores?

– Essas denúncias são feitas por aqueles candidatos que não atingiram seu objetivo nas urnas, que mesmo sendo donos de grandes patrimônios, perderam para um professor, eles não admitem isso. Em tem gente, tem políticos que não admitem político sério, que trabalhe com transparência, que cuide mais do patrimônio público do que cuida do seu próprio patrimônio.

– O que teria a dizer para a comunidade nesse contexto que lhe envolve no momento?

– Eu quero fazer um chamamento para as pessoas de bem, não só da nossa Região, mas do Estado e do País, para que se envolvam com a política, porque quanto menos os bons se envolverem com a política, abre espaço para os maus políticos, para aqueles que ficam remoendo uma eleição por quatro, cinco, dez anos, como é o caso de Campo Novo. Mas os donos do poder perderam a eleição para um professor, uma pessoa simples, humilde. Agradeço em especial a todas aquelas pessoas, independentemente de sigla partidária, que me deram apoio, força, palavras que fortaleceram, torcendo para que a comunidade fosse a grande vencedora nesse sentido. Queremos apenas cumprir nosso objetivo, que é trabalhar cada vez mais por uma comunidade que ficou cinquenta e seis anos à mercê da sorte.

– Mais algumas considerações prefeito?

– Eu tenho certeza de que quem ganhou não foi somente a comunidade de Campo Novo, mas ganhou sim a comunidade regional. Tenho certeza que, com essa vinda da usina do proetanol para cá, principalmente a nossa agricultura vai ganhar muito com isso, vamos aproveitar o solo no período de inverno, quando ele fica ocioso, e o desenvolvimento vai voltar a existir na nossa Região Celeiro. Finalizando, quero dizer para a comunidade de Campo Novo, que o Sartori continua sendo o mesmo, aquele professor, aquele cidadão humilde que caminha rua por rua, e que não é essa meia dúzia que vai me amedrontar e fazer com que meu trabalho esvazie. Não, cada vez eu sou mais fortalecido e tenho mais vontade de produzir um melhor resultado para a comunidade de Campo Novo e Regional.