O PDT do Rio Grande do Sul tomou uma decisão acachapante neste sábado, em convenção realizada no lotado Teatro Dante Barone, da Assembléia Legislativa do Estado. Os membros do partido, apesar da intensa pressão exercida pela máquina administrativa do governo petista, decidiram duas coisas: 1) tirar o partido do governo, entregando os cargos na administração estadual; 2) lançar a candidatura do deputado federal Vieira da Cunha ao governo do Estado. Cartazes e faixas em profusão apoiando Vieira da Cunha já indicavam a decisão que seria tomada neste sábado por ampla maioria do PDT. Mais de 2.000 convencionais do PDT não deixaram qualquer dúvida sobre a vontade dos trabalhistas do Rio Grande do Sul. No total, foram 476 votos pela saída imediata do governo do peremptório petista Tarso Genro, contra 313 votos pela manutenção da aliança com o PT. A decisão do PDT representa um golpe mortal nas intenções eleitorais do peremptório petista Tarso Genro e do PT, que chegaram a oferecer até mesmo a posição de vice na chapa. PT e Tarso Genro estão sendo isolados na disputa do próximo ano, porque os dois partidos mais expressivos da aliança, PSB e PDT, resolveram desembarcar do carro petista, que faz água por incompetência e inabilidade do seu chefe, Tarso Genro. O PDT também lançou candidato ao senado, Lasier Martins. Agora, o partido buscará consolidar coligações, negociando para isto a posição de vice e aliança na chapa proporcional. O deputado federal Vieira da Cunha teve sua candidatura a governador consagrada pelos votos de 594 convencionais, enquanto o candidato governista petista Aldo Pinto recebeu apenas 142 votos (brancos foram 40 e, nulos, 8 votos).
Fonte: VideVersus