Gastos com aluguel de mesas, cadeiras e outros itens soma R$ 3,3 milhões.

Confira a lista com todos os itens que compõem projeto de R$ 25 milhões.

 

Do G1 RS

 


 
Estruturas temporárias Beira-Rio Porto Alegre Copa do Mundo (Foto: Inter/Divulgação)Aluguel de tendas e cercas também soma mais de R$ milhões por item (Foto: Inter/Divulgação)

Os gastos com o aluguel de mobiliário devem responder mais de 13% do valor orçado para financiar as estruturas temporárias do Beira-Rio durante a Copa do Mundo. O item aparece como o de maior valor na lista de todos os itens que compõem as instalações provisórias ao redor do estádio, seguido por serviços de engenharia civil (também 13%) e cercas (12%).

G1 obteve a lista elaborada pelo consórcio responsável pelas obras. O investimento total previsto nas obras, segundo o documento adquirido junto ao Ministério Público, é de R$ 24 milhões, além de R$ 1 milhão reservado para o projeto. A lista divide as despesas em grupos de 28 itens, como ar-condicionado, áudio e vídeo, divisórias, estrutura tubulares, serviço de manutenção e segurança, por exemplo.

O maior custo é com mobiliário, que inclui cadeiras de diversos modelos, cones, cavaletes, guarda-sol, mesas e até equipamentos para coletar bitucas de cigarro. O gasto total em mobília será de R$ 3,3 milhões. Estes itens, ao lado de ações de engenharia civil, como pavimentação, montagens e demolições (R$ 3,2 milhões), e cercas, que englobam a instalação das estruturas metálicas e portões de vários tamanhos (R$ 3 milhões),  são os principais gastos das estruturas temporárias para a relização da Copa do Mundo em Porto Alegre.

Do lado oposto da lista existem gastos com carrinhos (R$ 3,8 mil), que são estruturas com rodas para transportes de equipamentos e coletas de lixo, por exemplo, serviços médicos (R$ 77,5 mil) e estruturas tubulares (R$ 175,5 mil), que são os itens necessários mais baratos das estruturas.

Do total de gastos com as estruturas temporárias, R$ 2,9 milhões que serão empregados na compra de diversos equipamentos devem ficar como legado para o poder público após a Copa do Mundo. O número equivale a cerca de 12% do total de investimentos. Entre esses itens estão cones de sinalização, extintores de incêndio, divisórias tipo drywall, carrinhos para coletar lixo, sistemas de exaustão, prateleiras, torneiras, pisos em carpete e cerâmica, entre outros.

As estruturas temporárias vão abrigar, no entorno do Beira-Rio, as áreas de transmissão de TV, voluntários, convidados da Fifa e organizadores da Copa. Após impasse sobre quem pagaria a conta, um projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa permitiu a captação de R$ 25 milhões com a iniciativa privada, mediante isenção fiscal do valor total investido. Para completar a conta, o poder público pode investir até R$ 5 milhões na compra de itens que fiquem de legado.

A lista dos gastos previstos

Ar-condicionado – R$ 685.935,23

Áudio & vídeo – R$ 740.517,65

Carrinhos – R$ 3.890,83

Cerca – R$ 3.008.912,74

CFTV – R$ 432.618,64

Civil – R$ 3.299.786,16

Divisória – R$ 1.270.392,46

Elétrica – R$ 2.403.508,97

Estruturas Tubulares – R$ 175.515,24

Fila/Sinalização – R$ 346.212,43

Hidráulica – R$ 560.540,12

IT – R$ 1.654.874,99

Limpeza e Coleta de Resíduos – R$ 793.826,67

Luminária – R$ 562.129,25

Mobiliário – R$ 3.343.736,09

Módulos Habitacionais – R$ 1.144.037,70

Piso – R$ 1.384.893,28

Serviços Brigada – R$ 197.500,00

Serviços de Manutenção – R$ 265.352,57

Serviços de Segurança – R$ 305.475,74

Serviços Médicos – R$ 77.500,00

Tenda – R$ 1.342.843,25