O município de Santo Augusto, emancipado político/administrativamente em 1959, teve sua instalação no dia 30 de maio daquele ano. A sede administrativa municipal passou a funcionar no prédio (ainda existente) situado na Rua Júlio Pereira dos Santos, esquina da Rua Rio Branco, onde até então funcionava a subprefeitura, antes pertencente ao município de Três Passos.

José Luceval Vargas, vindo da cidade de Passo Fundo, de onde é natural, chefiava o escritório da CEEE, em Santo Augusto. Foi convidado pelo prefeito e vice Osvaldo Pio Andrighetto e Arnaldo Macagnan, respectivamente, primeiros mandatários do novo município, para trabalhar com eles. Aceito o convite, Vargas pediu exoneração da CEEE e integrou-se ao município, “sendo o primeiro funcionário, o nº 1, do quadro de servidores”.

José Vargas diz ter perfeita lembrança dos primeiros dias de trabalho, com móveis inadequados e antigos, uma única sala que passou a servir de gabinete, enfim, só existia uma mesa e uma cadeira, significando que quando o prefeito estava despachando, o funcionário não tinha nem onde sentar-se e lidar com coisas burocráticas. A segunda servidora, contratada no início da administração foi a senhora Crescência, encarregada da limpeza do prédio. Uma ou duas semanas depois de ter assumido a prefeitura, o prefeito Osvaldo foi a Três Passos, município mãe, e solicitou a destinação de móveis e material de expediente, no que foi atendido.

A seguir, a estrutura administrativa municipal foi sendo montada, onde a convite do prefeito, assumiu como tesoureiro (equivalente hoje a secretário de finanças), o saudoso Feliciano Paulo Guterres de Moura, como contador o senhor Carlos Leodoni Andrighetto, e José Luceval Vargas assumiu a função de fiscal lotador. A seguir foram preenchidos outros cargos como: Secretário de Ensino, senhor Cláudio Dier; Secretária do SEDEP, senhora Cecília Macagnan; Secretário de Obras, o senhor Valdir Walter, que por sua vez convidou o senhor Fernando Nicoli para assumir o cargo de Capataz Geral, órgão da secretaria de obras.

No início não existia veículo algum, para os deslocamentos e transportes diversos era utilizada uma camioneta de propriedade do prefeito. O primeiro veículo adquirido pela municipalidade foi um Jeep, o qual servia ao gabinete e também para deslocamentos em geral, como levar professores e outros. A seguir, foi adquirido um caminhão caçamba (foto), destinado à Secretaria de Obras.

Primeiro caminhão da Prefeitura (1959)

 

A primeira obra executada depois do município instalado foi a instalação de uma fábrica de tubos de cimento, situada ao lado da prefeitura (foto).

 José Vargas (primeiro), na fábrica de tubos de cimento.

 

Passados alguns meses, com a estrutura administrativa razoavelmente montada, o prefeito reuniu-se com seus assessores e professores do município (foto), para avaliação dos primeiros meses de administração, restando acordado que o horário de expediente seria mantido, de segunda a sexta-feira, das 08h às 12h, e das 13h30min às 17h30min, e aos sábados das 08h às 12h.

 Acima, a partir da esquerda: José Vargas, Cláudio Dier, Prefeito Osvaldo, Feliciano, Valdir Walter e Carlos Leodoni Andrighetto (Dodi)

 

Trajetória a serviço dos santoaugustenses

Na administração seguinte, tendo Alecrides Sant’Anna de Moraes como prefeito e Italvino Sperotto como vice, já com a estrutura formada no quadro de servidores, José Luceval Vargas foi mantido como “fiscal lotador”, acumulando com a função de secretário da Junta do Serviço Militar, e auxiliar da Secretaria da Administração.

Posteriormente, ele foi designado para assumir como secretário administrativo na Divisão de Obras, porém, acumulando outras funções como a JSM e, eventualmente, de motorista para levar doentes a Passo Fundo e outras cidades, mas também, devido à necessidade e carência de servidores, seguidamente deixava seus serviços burocráticos e ia para a boleia do caminhão caçamba puxar pedras para o calçamento de ruas.

Em sua trajetória, José Vargas exerceu outras inúmeras funções, tanto como servidor público, quanto como cidadão.

Foi o primeiro secretário da Câmara de Vereadores, fiscal da carne, como era chamado na época o fiscal sanitário; foi escrivão ad hoc da polícia civil, até exercendo situações de risco quando, após as lavraturas de prisões em flagrante, a pedido do delegado, acompanhava o policial na escolta de preso até o presídio; foi, também, Fiscal de Menores, atuou como jurado, presidente de seções eleitorais.

No setor de esportes esteve entre os atletas mais destacados de todos os tempos do Esporte Clube Internacional. Criou e foi o primeiro presidente da Liga de Futebol de Santo Augusto, passando a desenvolver campeonatos de nível municipal; foi secretário do Conselho Municipal de Desportos nos anos de 1989 a 1992, época em que se realizaram os campeonatos municipais mais bem organizados e empolgantes; foi secretário da Liga de Clubes da Região Celeiro. 

O “seu José Vargas” como é conhecido, aposentou-se no final do ano de 1988, e permanece residindo na cidade pérola, por ele adotada como sua terra.

 

Primeira árvore plantada na Praça Pompilio Silva

O plantio da primeira árvore na Praça Pompilio Silva aconteceu na segunda administração, ficando a cargo do então agrimensor do município senhor Hilário Bertollo (aparece agachado na foto), estando presentes o vice-prefeito Italvino Sperotto, o chefe de gabinete Agenor Zimmermann, o diretor de obras, senhor Badia Buaes, o tesoureiro Feliciano Paulo Guterres de Moura, o fiscal lotador Gentil Zanella, o auxiliar de administração José Luceval Vargas, o servidor Vavilio Portolan.

 José Vargas (de boné) presente no plantio da primeira árvore na Praça Pompilio Silva