A inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor – Amplo), fechou março em alta de 0,92%, conforme divulgou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (9).

Trata-se da maior inflação para março desde 2003, quando o IPCA teve alta de 1,23%.

Em fevereiro, a alta dos preços havia sido de 0,69%. Em janeiro, os preços tinham subido 0,55%, a menor taxa de crescimento para meses de janeiro desde 2009. No trimestre, a alta acumulada dos preços é de 2,18%.

Em março do ano passado, a inflação oficial tinha subido 0,47%. Nos últimos 12 meses, alta acumulada dos preços é de 6,15%.

A meta do governo é manter a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas há tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo (ou seja, variando de 2,5% a 6,5%).

O IPCA mede a inflação para as famílias com renda de um a 40 salários mínimos em nove regiões metropolitanas do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, além do município de Goiânia e de Brasília.

Alimentos puxaram alta da inflação

Quem foi ao supermercado fazer compras em março pode ter tomado um susto com o preço dos alimentos. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a batata inglesa, por exemplo, ficou 35% mais cara no mês passado.

O preço do tomate também disparou, subindo 32,8%. Raízes e legumes tiveram alta de 21,95%; o morango ficou 18,7% mais caro.

O arroz com feijão também ficou mais salgado: o preço do feijão-carioca subiu 11,8%; o preço do arroz aumentou 0,22%. O ovo de galinha, para acompanhar, está 8,2% mais caro.

A salada também subiu bastante. O grupo de hortaliças e verduras teve alta média de 9,36%. Uma salada de repolho, por exemplo, está custando cerca de 12% mais; o preço da alface subiu 11,4%, e o da couve-flor aumentou 9,3%.

Ampliar

Confira os principais vilões da inflação em 201316 fotos

1 / 16

A inflação ao consumidor medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) encerrou 2013 em 5,91%. A tangerina teve a maior alta da lista, com 73,04% Leia maisDivulgação

Avião, motel, combustível, futebol

Além dos alimentos, também pesou no bolso do consumidor a alta das passagens aéreas, que, na média nacional, foi de 26,5%.

Na ampla lista de produtos pesquisados pelo IBGE, também entra a conta do motel, que está 4,3% mais alta. Para abastecer o carro, o preço do etanol teve alta de 4,07% para o consumidor ao longo do mês passado.

Quem tem bichinhos de estimação também pode ter sentido uma alta nos preços dos cuidados, uma vez que o IBGE registrou inflação de 3,25% para este grupo.

Os preços de ingressos para jogos subiram 3,1%, segundo o IBGE. Nesta categoria, o ingresso do jogo de futebol representa quase todo o índice total; o resultado final também inclui outras modalidades, mas com peso muito menor.

Também pesou no bolso do consumidor uma alta média de 3,01% nos custos do transporte coletivo.

 

Ampliar

Veja os alimentos que mais 'subiram' durante o Plano Real10 fotos

1 / 10

Um levantamento realizado pela Associação Paulista de Supermercados (Apas) revelou os dez alimentos que apresentaram as maiores variações de preço desde o início do plano real, em 1994. O líder é o camarão, com alta de 1.051,42% Leia mais Divulgação

INPC variou 0,82% em março

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) apresentou variação de 0,82% em março, acima do resultado de 0,64% de fevereiro. 

No primeiro trimestre do ano a variação foi de 2,1%. Considerando os últimos 12 meses o índice ficou em 5,62%. Em março de 2013 o INPC tinha sido de 0,6%.

Os produtos alimentícios aumentaram 1,88% em março, enquanto os não alimentícios ficaram com 0,37%. Em fevereiro, os resultados haviam sido 0,39% e 0,75%, respectivamente.

Entre os índices regionais, o maior foi o de Brasília (1,38%) em virtude da alta de 51,65% nas tarifas das passagens aéreas.

O menor índice foi o de Belém (0,45%), onde os alimentos consumidos em casa apresentaram variação de 0,8%, bem abaixo da média nacional (2,27%).

O INPC se refere às famílias com rendimento de um a cinco salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além de Brasília e dos municípios de Goiânia e Campo Grande. 

Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 27 de fevereiro a 28 de março de 2014 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de janeiro a 26 de fevereiro de 2014 (base).

Uol