Corpo de Bombeiros

Há anos, a comunidade de Santo Augusto reclama da necessidade de uma unidade do Corpo de Bombeiros. A tragédia da Boate Kiss, no inicio deste ano, trouxe como reflexo a exigência de os estabelecimentos comerciais, industriais, de diversões, entre outros, se adequarem ao sistema de prevenção contra incêndios, cuja vistoria e laudo técnico são de competência dos bombeiros. Esse já é um problema existente, haja vista que a unidade de Ijuí mesmo envidando esforços não consegue dar conta da demanda. Afora isso, tem o fator “incêndio” propriamente dito, uma vez que ocorrendo o sinistro, devido à distância que separa Santo Augusto de Três Passos ou Ijuí (unidades mais próximas), quando os bombeiros chegarem já restará pouco ou nada a ser salvo. Nesse sentido, o empresário Belmiro Padilha em contato com a coluna, mostrou-se preocupado e sugere mobilização de empresários, comunidade e prefeitura. 

 

Bombeiros voluntários

Pensando bem, as coisas podem ser facilitadas, desde que, com determinação, encontrando e seguindo o caminho certo. Três de Maio serve de exemplo. Lá, com a participação de 22 sócios, a Sociedade Civil Corpo de Bombeiros Voluntários de Três de Maio foi fundada em julho de 1997. A discussão do projeto iniciou em uma reunião, com a participação de lideranças, autoridades, convidados especiais e representantes de instituições locais, além de representantes do Corpo de Bombeiros, com total apoio do então prefeito. Formada a primeira diretoria, com base no estatuto do Corpo de Bombeiros de Maravilha/SC, foi elaborado o Estatuto Social da Corporação.

 

A implantação

Com o propósito de adquirir conhecimento e equipamentos, foram realizadas visitas a outros Corpos de Bombeiros Voluntários e iniciadas as atividades e o treinamento da corporação. A partir de então, até rifa de um automóvel foi feita para angariar fundos para aquisição de equipamentos básicos visando o melhor desempenho das atividades operacionais. Com esses recursos, foi possível contratar a Escola de Bombeiros para realizar o curso básico, com 90 horas de duração, tendo formado 27 bombeiros voluntários. Para viabilizar a iniciativa, foi assinado um convênio entre a associação “Sociedade Civil Corpo de Bombeiros Voluntários de Três de Maio”, Prefeitura Municipal e a Secretaria da Segurança Pública, e criado oficialmente o Corpo de Bombeiros Misto de Três de Maio, formado por seis bombeiros militares, cinco servidores municipais e 22 bombeiros voluntários, subordinados a um comando adjunto operacional. Nenhum membro civil é remunerado, e a sociedade sobrevive do convênio do Funrebom do município, e de doações das prefeituras conveniadas, de municípios próximos, clubes de serviços, empresas e comunidade geral.

 

Porque deu certo?

Porque envolveu lideranças, entidades, o poder público, e a comunidade. Fiz esse comentário todo, enfatizando a criação do Corpo de Bombeiros Voluntários em Três de Maio, no intuito de mostrar que em Santo Augusto, como polo microrregional, também é possível, podendo incluir outros municípios como Chiapetta, Inhacorá, São Valério do Sul, São Martinho, Nova Ramada, Cel. Bicaco, e outros. Mas, quem inicia?

 

Pipocando

Já ocorreu a segunda baixa no secretariado municipal de Santo Augusto. Primeiro saiu a secretária da saúde (PMDB), e agora o secretário da agricultura (PT). À coluna, Abreu informou que se exonerou do cargo por questões pessoais. Falando em secretaria da agricultura, estranhas ausências foram verificadas na semana passada, por ocasião da entrega de cinco tratores feita pelo prefeito às Associações de Agricultores. No ato não estava presente o secretário municipal da agricultura, alguns dos representantes das associações beneficiadas, os parlamentares autores das emendas que destinaram os recursos, nem a imprensa. Chocho. Mas, por outro lado, tem notícia boa: O Tribunal de Justiça negou provimento ao recurso sobre a desapropriação da área destinada ao IFF.