Marcha dos prefeitos

A Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul – Famurs, após três anos, está retomando a realização da Marcha Gaúcha dos Prefeitos. Há um ato marcado para o próximo dia 31, a partir das 9h, na Assembleia Legislativa, seguindo-se, depois, para frente do Palácio Piratini, onde será entregue por representantes do movimento, ao governador Tarso Genro uma carta de reivindicações dos gestores municipais, cujo documento está sendo elaborado pela Famurs com base em pautas prioritárias definidas pelas associações regionais dos municípios. De antemão, a Famurs já afirma que cerca de 80% das reivindicações são referentes às estradas estaduais (conservação/manutenção, construção de acessos asfálticos, e também as obras mais complexas), superando, disparado, outras demandas como saúde, transferência de receitas, investimentos do processo de consulta popular e transporte escolar.

 

Utar

A Usina de Tratamento de Resíduos Sólidos – UTAR – de Santo Augusto, projetada desde o ano de 1993, no primeiro governo de Alvorindo Polo, foi inaugurada dia 30 de maio de 1997, no governo de Naldo Wiegert. Era um projeto exemplar, modelo nacional, digno de receber visitantes do estado e do país. Foi sucesso por cerca de sete ou oito anos, depois dado ao desleixo e mau gerenciamento, a estrutura foi se degradando, chegando ao caos durante a gestão 2005/2008. Em janeiro de 2009, o estado deplorável que se encontrava repercutiu e causou reações revoltantes aos novos administrados que assumiram em janeiro daquele ano. O prefeito que assumiu, Alvorindo Polo, prometeu reverter a situação em menos de um ano, porém, não o fez, pelo contrário, a Utar acabou por ser desativada. O atual governo prometeu, e pelo que se sabe o processo para restauração da “UTAR”, já está mesmo em andamento.  

 

Hospital Bom Pastor

Mesmo antes de assumir a prefeitura, na segunda semana depois de eleitos em 2008, Alvorindo Polo e Ageu Gaspar Osório, com o médico Florisbaldo Polo, mantiveram um encontro, em Ijuí, com o então presidente da Cotrijuí Carlos Poletto, onde e quando o assunto foi a possível aquisição do hospital Bom Pastor, por parte do Poder Público Municipal. A iniciativa visava buscar soluções, uma vez que, na condição de instituição pública, o hospital poderia receber recursos e investimentos públicos para ampliação de sua infraestrutura, permitindo atender as reais necessidades e trazer mais profissionais e mais especialidades médicas. Lembro que à época escrevi uma matéria para o jornal O Celeiro sobre o assunto, onde Poletto afirmou ter motivos fortes para se empenhar na busca de uma solução definitiva para que o hospital se estruturasse, e sua liberação acontecesse nos moldes a satisfazer interesses da Cotrijuí, da Associação Hospitalar e do Poder Público. Portanto começaram bem as tratativas.

 

A união faz a força

Ao assumir como prefeito, em janeiro de 2009, Alvorindo intensificou as tratativas e negociações, embora os céticos atribuíssem como mera politicagem. Os trâmites se sucederam e dentro da ideia a Cotrijuí, em amortização de dívidas, vendeu o hospital para o estado. Então a negociação ficou entre o município de Santo Augusto e o Estado do Rio Grande do Sul, e numa exaustiva e ininterrupta caminhada que já duram cinco anos, esta primeira etapa está praticamente vencida com a aprovação nesta terça-feira pela Assembleia Legislativa do projeto de lei nº 247/2013, que permite ao Estado doar o imóvel do Hospital Bom Pastor, ao município de Santo Augusto. Isso tudo graças ao esforço do ex-prefeito Alvorindo e vice Ageu, Dr. Floris, deputados Jerônimo, Ernani, Classmann, Burmann, ex-deputado Pompeo, PGE, Secretaria Estadual da Saúde, e da atual administração, nas pessoas do prefeito José Luiz e do vice Naldo Wiegert.

 

A propósito

Saiu do bolso de quem o dinheiro que pagou o foguetório de terça-feira festejando a aprovação do projeto do hospital, pela Assembleia Legislativa?