A defesa do deputado licenciado e bandido mensaleiro petista José Genoino (PT-SP), em nota divulgada nesta quinta-feira, diz que recebeu com "perplexidade e indignação" a rejeição de junta médica da Câmara ao pedido de aposentadoria por invalidez feita pelo petista. Composta por quatro servidores da Casa, a junta médica anunciou na quarta-feira que Genoino, condenado no processo do mensalão, não é portador de cardiopatia grave. O grupo, no entanto, pediu um prazo de mais 90 dias para dar um laudo definitivo sobre o pedido de aposentadoria por invalidez feito pelo deputado em setembro. A decisão complica a situação do deputado que pode ter um pedido de cassação iniciado na próxima terça-feira, quando a Mesa Diretora da Câmara se reúne para discutir o assunto. Para a defesa de Genoino, a decisão da junta ocorreu de forma pouco transparente. "Não é possível aceitar que ignorantes de ocasião, movidos por indisfarçável conveniência política, que despreza os mais elementares imperativos humanísticos, procurem, acintosamente, comprometer a percepção da real, delicada e preocupante situação de saúde do deputado", diz trecho da nota assinada pelo advogado de Genoino, Luiz Fernando Pacheco.