Do UOL, em São Paulo

Ampliar

Acidentes e problemas em obras de estádios da Copa18 fotos

11 / 18

Um incêndio de pequenas proporções atingiu o canteiro de obras da Arena Pantanal, estádio de Cuiabá para a Copa do Mundo de 2014, no fim de outubro Leia maisNathálya Veloso

VEJA TAMBÉM

"A Copa do Mundo começa daqui a menos de dois meses, quando o Brasil enfrentará a Croácia em São Paulo, no dia 12 de junho. Isso considerando, é claro, que o estádio estará pronto – ele ainda está em obras. De qualquer forma, parece que a principal competição do futebol mundial irá definir outras coisas além de qual nação tem o melhor futebol do mundo. Ela também poderá exercer influência crucial nas eleições presidenciais brasileiras, marcadas para outubro". 

Assim começa reportagem do jornal britânico "Financial Times" publicada no último domingo, cujo título é "O belo jogo expõe as falhas horríveis do Brasil" (The beautiful game exposes Brazil's ugly flaws). De acordo com a publicação – um dos jornais de economia mais respeitados do mundo -, a Copa do Mundo é "uma nuvem negra" no horizonte da presidente e candidata a reeleição, Dilma Rousseff.

"Grande parte dos problemas se anunciam no Rio de Janeiro, onde uma série de crises colocaram um grande ponto de interrogação sobre a pretensa capacidade do Brasil de organizar um evento tão complexo quanto uma Copa do Mundo, para não falar dos Jogos Olímpicos, que a capital fluminense sediará daqui a dois anos", escreve o "FT".

A matéria recorda ainda as manifestações ocorridas durante a Copa das Confederações, em junho do ano passado, que teriam chocado a classe política brasileira. "Centenas de milhares tomaram as ruas da nação e enfrentaram a polícia, exigindo o fim da corrupção que aflige todas as instituições", afirma a reportagem, que afirma também que as manifestações foram mais intensas no Rio de Janeiro, onde há falta de infraestrutura e onde políticas de pacificação das favelas falharam.

Para o jornal, incidentes envolvendo corrupção policial e a volta de traficantes a favelas 'pacificadas' deixaram a cidade ainda menos segura do que era há um ano: "Roubos e assassinatos estão em alta, e confrontos armados entre traficantes e policiais estão de volta ao noticiário. A população está assustada".

A reportagem britânica afirma que os protestos do ano passado foram feitos majoritariamente pela população de classe média, e que "os moradores da favela se mantiveram fiéis ao Partido dos Trabalhadores, de Dilma", mas, durante a Copa, "se os manifestantes voltarem às ruas, não serão necessários muitos incidentes envolvendo gangues cariocas e turistas estrangeiros para que se levantem dúvidas quanto a competência de Dilma Rousseff".

Por fim, a reportagem do Financial Times profecia: "Se o Brasil falhar na organização da Copa, Dilma talvez tenha que procurar outro emprego, e só poderá culpar a si mesma. (…) A mensagem dos protestos do ano passado não poderia ter sido mais clara. O Brasil precisa acabar com a corrupção e focar em saúde, educação e transporte. Se não fizer isso, o governo será punido".

Ampliar

Estádios da Copa estouraram orçamento. Veja quanto cada um ficou mais caro12 fotos

11 / 12

Maracanã (Rio de Janeiro/RJ): 29% mais caro. A reforma já foi avaliada em R$ 932 milhões, mas agora está calculada em R$ 1,2 bilhão Michael Regan/Getty Images

Notícias relacionadas