Conselho de Enfermagem abre processo contra madrasta

Enfermeira pode ter o direito ao exercício profissional cassado

27/05/2014 | 19h30
Conselho de Enfermagem abre processo contra madrasta Reprodução/Reprodução

Menino foi encontrado morto em Frederico WestphalenFoto: Reprodução / Reprodução

Conselho Regional de Enfermagem do Estado (Coren-RS) abriu um processo ético disciplinar contra a enfermeira Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini. Ela é suspeita de ter ministrado um sedativo para matar a criança.

A enfermeira, que possui registro profissional junto ao Coren, terá a conduta ética investigada pela entidade e está sujeita a penalidades, como advertência verbal, multa, censura ou suspensão do exercício profissional. 



Caso o conselho regional aponte conduta imprópria, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) ainda pode cassar o direito ao exercício profissional da enfermeira.  O processo ético disciplinar segue os mesmos princípios dos processos legais, com direito à ampla defesa da enfermeira.

“Uma de nossas principais missões, enquanto órgão que disciplina e fiscaliza o exercício profissional da Enfermagem, é zelar pela conduta ética da categoria”, afirmou o Coren, por meio de nota divulgada nesta terça-feira. 

Graciele foi acusada por homicídio quadruplamente qualificado (por motivos torpe e fútil, emprego de veneno e recurso que dificultou a defesa da vítima) eocultação do cadáver.



Leia mais

Imagens mostram os últimos instantes de Bernardo com vida

Especialistas analisam evidências contra indiciados por homicídio

Justiça decreta prisão preventiva de suspeitos no caso Bernardo

Clicrbs