Para o candidato, governo do PT deixa "herança maldita" ao sucessor

02/08/2014 | 17h17
Aécio Neves aposta na proximidade com Ana Amélia para crescer no Estado Fernando Gomes/Agência RBS

Aécio pretende resgatar a capacidade dos Estados se desenvolveremFoto: Fernando Gomes / Agência RBS

O candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves, aposta na proximidade com a candidata do PP ao governo do Estado, Ana Amélia Lemos, para conquistar o eleitorado gaúcho. Ao ser questionado sobre sua tática no Rio Grande do Sul, durante visita a Porto Alegre na tarde de sábado, o tucano sorriu, abraçou a aliada e respondeu.

– Olha a minha estratégia aqui – disse o presidenciável, que soma no Estado 23% das intenções de voto contra 41% da candidata à reeleição, Dilma Rousseff

Vestindo calça jeans e camisa branca, Aécio chegou ao hotel Intercity, onde a entrevista ocorreu, cumprimentando os jornalistas com um "buenas tardes". Desenvolvimento econômico foi um dos principais pontos abordados por ele na coletiva, que durou 43 minutos.

– Estamos tendo o pior resultado da indústria automobilística de todos os últimos anos. Ela reduziu sua capacidade em mais de 30% em apenas um ano. O conjunto da indústria, em todas as manifestações, teve, do mês de julho do ano passado para o mês de julho deste ano, uma queda em torno de 7% – garantiu o tucano.

"A renegociação da dívida dos Estados é necessária", diz Aécio Neves

Pressionado por polêmica, Aécio defende aeroportos construídos no interior de Minas

Leia todas as notícias sobre as Eleições 2014

Aécio falou da perda da capacidade de crescimento e da crise de confiança que abalam o país. Segundo ele, o governo do PT deixa uma "herança maldita" ao sucessor. Se eleito, ele pretende resgatar a capacidade dos Estados se desenvolverem. Para o tucano, a pobreza não é apenas uma privação de renda, mas também de serviços e oportunidades. Aécio prometeu aprimorar os programas sociais que dão certo.

Em relação à dívida dos Estados com a União, o presidenciável afirmou não acreditar na aprovação do projeto de renegociação até o final deste ano porque "o governo não é confiável".

Depois da conversa com os repórteres, Aécio e Ana Amélia foram de carro até a Avenida Beira-Rio, onde encontraram militantes em caminhada e seguiram para o Ginásio Gigantinho em um trio elétrico, onde participaram do primeiro comício juntos no Rio Grande do Sul.

Zero Hora