Balanço comparativo mostra que operações policiais aumentaram 45,12% em 2017
Balanço comparativo mostra que operações policiais aumentaram 45,12% em 2017 - Foto: Polícia Civil - Imprensa
A Polícia Civil realizou o balanço comparativo entre os anos de 2017 e 2016. Inicialmente constatou-se um aumento significativo no número de operações policiais, sendo realizadas 656 em 2016 e 952 em 2017. Foram 296 operações a mais que no ano anterior, um aumento de 45,12%. Este aumento, associado às ações de inteligência e a apreensão 3,71% maior de armas, 3.585 armas foram apreendidas em 2016 e 3.718, em 2017, teve como resultado um índice 10,68% maior no número de prisões realizadas pela Polícia Civil, de 13.301 em 2016 para 14.722, em 2017.
O reflexo da melhoria nos índices da Polícia Civil também pode ser observado nas apreensões de adolescentes que apresentaram um aumento de 21,04%, sendo que em 2016 foram 808 adolescentes apreendidos e 978 em 2017.
Segundo o Chefe de Polícia, delegado Emerson Wendt, as operações policiais são deflagradas contra uma vasta área criminal, como o tráfico de drogas, roubos e furtos de veículos e homicídios, entre outros crimes. Elas são o resultado do trabalho investigativo qualificado realizado pelos delegados e agentes. Além de combater o crime, as operações têm por objetivo a descapitalização de organizações criminosas, visando atingir o patrimônio adquirido de forma ilegal por esses grupos criminosos. O maior número de operações foi, sem dúvida, um dos fatores que mais contribuiu para o êxito no aumento de números de prisões, apreensões e inquéritos concluídos com elucidação, como mostram os números.

Um indicador que teve aumento expressivo e que reflete na diminuição da criminalidade no Rio Grande do Sul relaciona-se aos presos por mandados de prisão pela instituição. No ano de 2017 foram 6.798, um acréscimo de 1.271 em relação ao ano anterior, uma porcentagem de 23%. Além disso, pode-se destacar que quanto à recaptura de foragidos houve um acréscimo de 12%, sendo 1984 presos em 2016 e 2.222, em 2017. Os flagrantes elaborados pela Polícia Civil – 22.555 – também tiveram um acréscimo de 1,33%, em relação ao ano anterior em que foram 22.259. Foram remetidos ao Poder Judiciário 283.979 procedimento policiais com elucidação do crime, uma diferença de 14.881, o que significa um aumento de 5,53% em relação ao ano anterior. A taxa de elucidação dos procedimentos policiais remetidos à Justiça, em 2017, foi de 75,27%.

Quanto à apreensão de drogas houve um aumento na maioria delas, sendo a apreensão de LSD recordista, com um índice de 67,28% a mais do que no ano anterior, seguida pela apreensão de ecstasy, com 33,87%, crack, com 10,41% e maconha, com 5,40%. Somente de LSD, a Polícia Civil apreendeu durante o ano de 2017 mais de 8.600 pontos, sendo 1334 apenas em outubro.  Em novembro do ano passado, foram apreendidos 3.479 comprimidos de ecstasy, o maior número do ano, que finalizou com 18.386 comprimidos apreendidos. Durante 2017 foram apreendidos quase 300kg de crack e mais de dez toneladas de maconha.

Observou-se, em 2017, uma redução de 4,21% no número de ocorrências policiais, pois em 2016 foram 1.457.531 registros e em 2017 1.396.195. Ainda que o registro de ocorrências tenha diminuído, houve um aumento no registro de ocorrências através da Delegacia Online, em 2016, do total de ocorrências, 10,62% foi pela Internet, já em 2018 o percentual foi de 15,32%, o que representa um aumento de 38,21%.

Um dado importante foi o valor de R$ 67.543.522,63 em ativos recuperados pela Polícia Civil no ano que passou, o que evidencia que a repressão qualificada às organizações criminosas, buscando sua descapitalização.

De acordo com o Chefe de Polícia, delegado Emerson Wendt, todos estes indicadores estão sendo avaliados pela Chefia de Polícia e os critérios para a definição de operações policiais serão discutidos para que novas ações sejam deflagradas ao longo de 2018, sempre visando excelência no combate à criminalidade. Já estão previstas operações policiais para o combate dos mais diversos crimes, entre eles, homicídio, tráfico de drogas, exploração sexual, contra o consumidor e lavagem de dinheiro. Todo o trabalho da instituição no combate ao crime deverá ser reforçado com o ingresso dos novos policiais brevemente. O concurso para Escrivão e Inspetor, cujas inscrições encerraram no último dia 19, contou com 44.238 inscritos preliminarmente.

O secretário Cezar Schirmer destacou a atuação da Polícia Civil e a sua evolução constante como instituição. “São números que comprovam a excelência dos serviços prestados à sociedade gaúcha. Uma corporação que cumpre o seu papel e desenvolve ações que transcendem em muito as suas atribuições primordiais”.

Cecy Quadros Raicik

Reg. Prof. 6211

JF